NOTICIA

A reforma universitária de Córdoba de 1918 como convite permanente

20/06/2022 12:52


“…Acabamos chamando todas as coisas pelo nome que têm. Córdoba é redimida. A partir de hoje contamos para o país menos uma vergonha e mais uma liberdade. As dores que permanecem são as liberdades que nos faltam.
Manifesto Preliminar da Reforma Universitária

Como todo dia 15 de junho, a América Latina e o Caribe comemoram os acontecimentos de Córdoba em 1918 e seu movimento de Reforma Universitária. 

Essa faísca, que como fogo se espalhou por todo o continente e além de sua proclamação de mudança e modernização daquela velha ideia de universidade colonial, para dar lugar a uma universidade socialmente comprometida que, permeada pela democracia, é uma plataforma de ideias e apoio liberdades e igualdade. 

Nas palavras do belo manifesto preliminar, um apelo continental é explicitado em chave ética, política, acadêmica e científica; Na universidade, nada fica de fora de seu olhar atento à realidade daquele tempo, da perspectiva sincera, dura e ao mesmo tempo esperançosa de uma juventude que não se resignou ao que era possível e se assumiu como motor de progresso. 

A maior parte de nossos sistemas universitários foi permeada pelo programa reformista, lançando as bases para políticas de proteção e defesa da autonomia e autarquia, governo democrático e republicano, laicidade, promoção do acesso e eliminação de pequenas restrições, garantias de liberdades acadêmicas, de pesquisa como triunfo da razão, e do desenvolvimento da extensão universitária para resolver e atender os problemas sociais e a promoção do desenvolvimento, para nomear os eixos cardeais de nossa cultura universitária. 

Mas sem dúvida esse modelo que, de antemão, promoveu a educação centrada no corpo discente, delineia um princípio fundamental: o pensamento crítico como germe para fazer da universidade uma estrutura viva, em perpétuo movimento, pensando e se repensando em seu tempo, território e seu povo. 

Esta abertura e adaptação a cada contexto significa que não é possível encontrar duas universidades iguais, mas cada uma é o seu próprio projeto em si, mas todas elas por sua vez, ligadas pela mesma tradição de responsabilidade para com o seu povo e o seu futuro. 

No século XXI, a Reforma Universitária de 18 continua a convidar-nos a salvaguardar o seu legado, na indescritível defesa da educação universitária como direito humano, bem público e principal e indelegável responsabilidade dos Estados, derrubando conservadores e arbitrários atitudes, dando lugar a comunidades inter e multiculturais, onde os grupos se respeitem em suas identidades e oportunidades, como mecanismos de inclusão real e efetiva e não meramente declarativa, pois nesta universidade reformista é garantido aos seus membros o direito ao ensino superior de qualidade para todos e tudo e ao longo da vida. 

Então, quando falamos de acesso à educação, não podemos nos limitar a considerar apenas o corpo discente a partir de lógicas inclusivas, mas devemos fazê-lo também em referência ao corpo docente, ao grupo de trabalhadores universitários, aos que se formam e devem ter a possibilidade de se inserir efetivamente em um mundo mutável e incerto. 

A reforma universitária lidou com a pandemia de gripe espanhola na época e hoje, mais de cem anos depois, sobrevive à pandemia de COVID-19 como uma reivindicação de equidade na América Latina e no Caribe, que é a região mais desigual do planeta , apelando à solidariedade para que a distribuição dos benefícios do conhecimento possibilite a mobilidade social ascendente. 

As lições aprendidas nos mostram que, particularmente neste momento, é reformista pensar que, se a educação é um direito humano, tudo relacionado à educação deve ser interpretado em termos de direitos humanos, portanto, acesso, promoção e conclusão do ensino universitário, na atualidade, deve ser acompanhado de acesso à conectividade e artefatos que possibilitem que o conhecimento seja um bem público e, portanto, disponível para toda a sociedade. Caso contrário, longe de favorecer o acesso por meio de ambientes virtuais ou híbridos, reproduzimos e consolidamos desigualdades. 

Nossas universidades e suas comunidades passaram por crises e vivem atualmente uma oportunidade de mudança, transformando estruturas desenhadas em outros tempos em organizações que, a partir dos valores que nos inspiram, também combinam formas ágeis, sustentáveis, dinâmicas e inteligentes, empáticas com pessoas e atentos à construção de um amanhã melhor. 

É assim que a reforma dos 18 propõe à sociedade do conhecimento mais liberdades e menos vergonha, renovando o seu convite ao exercício do bem, da verdade e da beleza como plataformas para um futuro igual e equitativo para as gerações presentes e futuras.  

* Membro do Conselho de Administração da UNESCO-IESALC 


Fonte:  UNESCO-IESALC 

Nota Oficial: Restrições orçamentárias e financeiras impostas à CAPES

07/12/2022 08:44

ABRUC, COMUNG, ACAFE e SINDIMAN se reuni com o Grupo de Trabalho da Educação, da Equipe de Transição

07/12/2022 08:41

Estudos Educacionais: Pesquisa Inep aborda educação superior, nesta quarta (7), às 15h

07/12/2022 08:38

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.