NOTICIA

Prouni: Inclusão de aluno de escola privada prejudica quem tem deficiência

25/08/2022 14:29

Com a ampliação do Prouni (Programa Universidade para Todos) para alunos de escolas particulares que não tiveram bolsa durante o ensino básico e o fundamental, o MEC (Ministério da Educação) mudou a forma de selecionar os candidatos. O novo ranqueamento, porém, prejudica pessoas com deficiência, que afirmam que o governo tem feito uma espécie de segregação.


Agora, candidatos com deficiência de unidades públicas e privadas disputam as bolsas entre si e alunos de escolas públicas têm prioridade no ranking, mesmo que tenham a nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) mais baixa.


Dafne Torres, 23, é autista e tenta uma vaga no curso de medicina, mas afirma que, com as alterações do programa, "não adianta se esforçar para ter uma boa nota". Ela tirou 740 no Enem e estudou em escola particular com bolsa agora, fica atrás de candidatos com deficiência que foram matriculados em escola pública.


Procurado pela reportagem, o MEC não respondeu. O espaço fica aberto para atualizações.


Como funcionava: Antes da mudança que entrou em prática neste semestre, candidatos com deficiência de escola pública ou privada, com ou sem bolsa, já podiam se inscrever no Prouni. O ranking dos selecionados era definido a partir da nota do Enem.

As bolsas ofertadas pelas universidades privadas eram divididas em duas modalidades: 


Ampla concorrência (para pessoas de escola pública) e; 


Cotas -nesse caso, pessoas com deficiência e PPI (pardo, preto ou indígena) de escolas públicas e privadas podiam se inscrever. 


Depois de selecionados, os candidatos deviam comprovar as informações, principalmente referentes à renda.


Como Prouni está agora: Neste ano, o MEC dividiu o grupo das cotas. Agora, candidatos com deficiência vindos de escolas públicas e privadas disputam entre si as bolsas —o governo havia anunciado que seriam vagas exclusivas a esse grupo, mas não explicou, na época, que o critério de seleção não seria mais a nota do Enem.


Alunos com deficiência e que estudaram em escola pública têm prioridade.


"É frustrante quando você tem certeza que vai conseguir uma bolsa e vê que não dá certo. O autismo também te leva a ter uma sensação de culpa quando existe uma quebra de expectativa."


Para a professora Márcia Regina Candeo, mãe de um candidato autista, o governo tem "rotulado" as pessoas com deficiência. O filho dela não aceitou dar entrevista, porque ficou decepcionado com as mudanças.


Escola pública não dava suporte: Márcia afirma que colocou o filho em uma escola particular porque na pública ele não recebia o suporte necessário. "Ele chegava da escola vomitando, com crises de choro. Com muito sacrifício coloquei na escola particular, pedi muitos descontos [na mensalidade]", relembra.


O filho da fisioterapeuta Bianca Menezes também é autista e ficou de fora da seleção por causa do novo critério porque ele frequentou escolas particulares. Para ela, o governo fez as mudanças no ranqueamento "na surdina".


"Nunca pensei que isso iria acontecer. O presidente atual parece valorizar o deficiente, porque a primeira-dama fala em libras e, inocentemente, achamos que teríamos valor nesse governo."


Para as pessoas ouvidas pela reportagem, a decisão do MEC vai contra o Estatuto da Pessoa com a Deficiência. Como exemplo, as mães dos candidatos e a estudante Dafne citam o artigo que fala do direito à igualdade de oportunidades:


"Toda pessoa com deficiência tem direito à igualdade de oportunidades com as demais pessoas e não sofrerá nenhuma espécie de discriminação."


Bianca disse ainda que nunca havia usado o laudo do filho para ter acesso aos direitos garantidos a pessoas com deficiência. "Soube depois que pessoas com deficiência e de baixa renda têm direito [ao Prouni], independente da escola pública ou privada", afirma.


Calendário do Prouni 2º semestre 


Segunda chamada: 29 de agosto 


Comprovação de informações da 2ª chamada: 29 de agosto a 8 de setembro 


Lista de espera: 13 e 14 de setembro 


Resultado da lista de espera: 17 de setembro.


Fonte: UOL Educação


4ª Conae debate a respeito de políticas educacionais brasileiras para os próximos 10 anos

02/12/2022 07:59

Definido o cronograma do Censo Superior 2022

02/12/2022 07:54

Comissão de Ciência e Tecnologia aprova Geração Distribuída nas Universidades

02/12/2022 07:52

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.