CLIPPING

Bolsas da Capes: Entidades estudantis vão à Justiça para exigir pagamento

08/12/2022 09:07


Foto ilustrativa: Capes - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior - Capes/Divulgação

Entidades estudantes entrarão nesta quarta-feira, 7, com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para exigir que seja suspenso o decreto presidencial que impede o pagamento de bolsas de mestrado, doutorado e residência médica no País. Como revelou o Estadão, o Ministério da Educação (MEC) teve seu caixa zerado e não tem como pagar mais de 200 mil estudantes em dezembro.


Os advogados das três entidades, União Nacional dos Estudantes (UNE), Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) e União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), alegam na peça à Justiça que o alunos precisam das bolsas para subsistência. Um dos requisitos é que o estudante contemplado não tenha outra atividade remunerada.


"É a única fonte de renda desses alunos, eles precisam do dinheiro para pagar alimentação, aluguel, transporte", diz Rogean Vinícius Santos Soares, presidente da ANPG. "O aluno passa por seleção, dedica seu tempo para pesquisa e desenvolvimento do País e o Estado financia. Ele está cumprindo a parte dele, a bolsa não pode ser cortada de repente", completa o advogado Humberto Fabretti, que representa as três entidades.


As bolsas deveriam ter sido pagas até esta quarta, que é quinto dia útil do mês. As bolsas de mestrado têm valor mensal de R$ 1500 e as de doutorado, de R$ 2.200, há anos sem reajuste. A residência médica paga R$ 4106.


O Ministério da Economia divulgou nota na segunda-feira dizendo que "verificou-se um incremento atípico e acima do esperado das despesas obrigatórias com benefícios previdenciários" em 2022, o que pressionou o teto de gastos. Assim, "despesas importantes que seriam realizadas neste ano ou no começo de 2023 não poderão mais ser empenhadas e praticamente todas as despesas discricionárias que seriam pagas em dezembro estão suspensas". Estão asseguradas apenas as despesas obrigatórias, como folha de pagamento de servidores, aposentadorias, pensões e benefícios. As bolsas não entram nesse grupo.


Na terça-feira, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), vinculada ao Ministério da Educação (MEC), divulgou nota dizendo que os cortes orçamentários promovidos pelo governo federal impõem "severa asfixia" ao órgão, que vê comprometido o pagamento de mais de 200 mil bolsas. A Capes detalhou os efeitos de dois contingenciamentos impostos pelo Ministério da Economia e disse ter sido surpreendida com a edição de um decreto que "zerou por completo a autorização para desembolsos financeiros durante o mês de dezembro".


A informação sobre a impossibilidade do pagamento das bolsas foi passada à equipe de transição do governo eleito na segunda-feira. Segundo Henrique Paim, coordenador da área de educação, o próprio ministro Victor Godoy se mostrou preocupado na reunião.


Os 14 mil médicos residentes que atuam em hospitais universitários federais têm um custo de R$ 65 milhões. Neles estão incluídos, por exemplo, os que trabalham no Hospital São Paulo, na capital, ligado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e outros dezenas de hospitais universitários. Na Capes, são cerca de 200 mil, entre estudantes de mestrado, doutorado e pós doutorado no Brasil e exterior, além de bolsas de formação de professores e residência pedagógica.


Como é um decreto do presidente Jair Bolsonaro (PL), o mandado de segurança, que é usado quando se impede um direito líquido e certo, será encaminhado ao STF. A expectativa das entidades é que o dinheiro seja liberado até o fim da semana.


O MEC chegou a empenhar os recursos mas não há caixa para fazer os pagamentos. "Isso retirou da Capes a capacidade de desembolso de todo e qualquer valor - ainda que previamente empenhado - o que a impedirá de honrar os compromissos por ela assumidos, desde a manutenção administrativa da entidade até o pagamento das mais de 200 mil bolsas", informou o órgão.


A Capes diz ter cobrado das autoridades a "imediata desobstrução dos recursos financeiros essenciais", "sem o que a entidade e seus bolsistas já começam a sofrer severa asfixia". "As providências solicitadas se impõem não apenas para assegurar a regularidade do funcionamento institucional da Capes, mas, principalmente, para conferir tratamento digno à ciência e a seus pesquisadores", acrescentou.


Fonte: UOL Educação

Veja também

2,3 milhões abandonaram curso superior em 2021

03/02/2023 09:34

Senadores trabalham para compor comissões permanentes da Casa

03/02/2023 08:35

Ministra assegura reajuste de bolsas de pesquisa ainda no 1º semestre

03/02/2023 08:24

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.